Como dar Entrada no Seguro DPVAT? Guia Essencial

Aprenda como dar entrada no seguro DPVAT caso precisar. Saiba o que é este seguro, como ele funciona, o que ele cobre e o que não cobre, e o que é preciso para dar entrada.

como fazer para dar entrada no seguro dpvat

Muitos condutores de veículo não sabem como dar entrada no seguro DPVAT, além daqueles que desconhecem possuir o direito a esse benefício. Para introduzirmos esse assunto, é interessante deixar claro que esse seguro é um direito dos condutores que sofrem acidentes enquanto dirigem um veículo automotor, seja ele um carro e até mesmo uma moto.

Essa garantia de caráter social tem como objetivo auxiliar essas pessoas no tratamento dos danos sofridos nesse acidente, bem como indenizar os seus descendentes nos casos de morte.


Nesse artigo, falaremos um pouco mais sobre esse seguro, então continue a leitura até o fim e saiba tudo sobre como fazer para dar entrada no seguro DPVAT.

Como funciona esse seguro?

Qualquer pessoa que porventura venha a ser vítima de um acidente de trânsito envolvendo veículos automotores terá direito a receber esse seguro.

Seja para os casos em que haja óbito, bem como para aqueles casos que envolvam invalidez permanente e os que resultam apenas em gastos com medicamentos, com atendimento médico ou mesmo com os hospitais.


Caso então aconteça um acidente, o proprietário / condutor responsável nesse acidente, assim como os passageiros que estiverem no veículo, ou quaisquer outras vítimas de colisões, capotamentos, etc, também podem receber o seguro.

Não importa quantas pessoas estejam envolvidas, o pagamento será feito individualmente, se um carro ou outro veículo transportar 10 pessoas, saiba então que elas também terão os mesmos direitos. Isso é válido mesmo que o veículo não possua o último pagamento DPVAT.

Para que a pessoa tenha como dar entrada no seguro DPVAT e obter o benefício, quando um sinistro leva à morte ou mesmo uma invalidez permanente, ela deve se inscrever, o que pode ser feito tanto pela vítima ou mesmo pelo seu beneficiário.

Para reivindicar esse seguro, as partes interessadas precisam apresentar vários documentos no ponto de atendimento da Seguradora Líder, tais como:

  • Registros de acidentes preparados pela polícia;
  • Relatórios que comprovem a deficiência (se for esse o caso);
  • Certificados de gastos com medicamentos e despesas hospitalares causados pelo acidente, entre outros como documentos pessoais.

Se o condutor vier a falecer, o seu cônjuge será o detentor do direito de receber a indenização na qual o condutor receberia, no valor da metade, enquanto a outra metade será distribuída entre os seus filhos, caso possua algum.

Se esse for o caso, os interessados devem se dirigir até um posto de atendimento, levando consigo documentos que possam comprovar que elas são legítimas beneficiárias desse seguro, bem como um atestado comprovando o óbito daquela pessoa e, por fim, o registro da ocorrência do acidente. Com isso, eles têm como dar entrada no seguro DPVAT.

O que o seguro cobre?

Como já mencionamos ao longo do texto, o mesmo cobre tanto a morte do envolvido no acidente, bem como a invalidez, seja ela parcial ou total, assim como todas as despesas hospitalares e médicas.

No caso da morte daquele condutor, a empresa faz o pagamento de uma indenização, cujo valor atual é de r$ 13.500 reais, sendo paga tanto aos herdeiros da vítima quanto ao seu cônjuge, de acordo com a sucessão.

Já a invalidez permanente parcial ou total também conta com um valor indenizatório que pode chegar até r$ 13. 500 reais também, paga á vitima do acidente, nos casos de invalidez permanente, parcial ou total de um membro, bem como a função ou movimento que for afetado por aquele acidente.

Veja que o valor é igual ao pago caso a vítima do acidente venha a falecer. Por fim, temos as despesas hospitalares e médicas, e nesses casos a Seguradora Líder terá que garantir o reembolso no valor que pode chegar a r$ 2.700 reais gastos com esse tipo de despesa.

Essa cobertura é assegurada aos seus beneficiários durante um período que compreende até o prazo de 3 anos.

O que o seguro não cobre?

Anteriormente, tratamos de forma rápida, de algumas situações em que o seguro DPVAT não cobre os gastos, a primeira delas diz respeito as fianças que podem ser arbitradas pelo delegado.

Caso o infrator seja preso em flagrante por algum delito nos crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro, bem como aquelas multas que ele venha a sofrer se for pego infringindo essas mesmas normas.

Além disso, o seguro não cobre os danos pessoais que o condutor venha sofrer, mas que não tenham sido causados por outros veículos ou sua carga na via terrestre, além dos prejuízos materiais que ele venha a sofrer com esse acidente. Também não são acobertados aqueles acidentes que não envolvam nenhuma vítima.

Outra modalidade de acidente que fica fora da cobertura é aquele que ocorre com os veículos a serviço de outro país ou mesmo aqueles estrangeiros, mas que estão circulando em nosso país.

Nesses casos, o seguradora também não irá cobrir os prejuízos em casos de acidente. Por fim, mas não menos importante, temos aqueles acidentes ocorridos com veículos brasileiros, mas fora do nosso território, esses também não estão dentro da cobertura.

Como fazer para dar entrada no seguro DPVAT?

Se você quer saber como dar entrada no seguro DPVAT, saiba que o processo de solicitação de indenização do seguro DPVAT é gratuito e pode ser realizado sem a intervenção de um advogado ou mesmo um despachante.

Muitas vezes é comum que as pessoas busquem a justiça para obter esse benefício, no entanto, é interessante deixar claro que o beneficiário do seguro só deve peticionar no judiciário caso o seu pedido seja lícito e tenha sido negado na esfera administrativa, ou seja, a Seguradora Líder negue o pedido.

Para isso, basta dirigir-se ao posto de atendimento da Seguradora Líder mais próximo para administrar os recursos e providenciar os documentos necessários de acordo com as coberturas exigidas.

Você pode visualizar a lista completa de documentos para cada cobertura no site da seguradora. O prazo para solicitação de assistência é de três anos a partir da data do óbito ou acidente.

Observação: O seguro DPVAT deixou de existir em 01 de janeiro de 2020, no entanto é muito bem provável que ele volte agora em 2024.