Como Saber Se a Caixa de Marcha Quebrou? Guia Essencial

Descubra se a caixa de marchas do seu carro quebrou. O que ela é e como ela funciona. Quais são os diferentes tipos, cuidados e mais.

como saber se caixa de marchas do carro quebrou

Como saber se a caixa de marcha quebrou é também uma dúvida que muitos donos de carros tem, principalmente quando ouvem algum barulho estranho no câmbio, ou sentem alguma mudança no funcionamento do conjunto da transmissão quando o veículo está em movimento. A preocupação não é por menos, já que se trata de um item razoavelmente caro.

As transmissões são feitas para funcionar perfeitamente, pois foram projetadas para isso, mas como sabemos, ela é uma peça muito utilizada quando o automóvel está em movimento, acelera, engata, desengata, troca marcha, reduz, enfim. Tudo isso e mais alguns fatores podem com o tempo desgastar a caixa de marchas, e obviamente que uma manutenção é inevitável.


Então, se acredita que a sua caixa de câmbio quebrou, ou então possa estar com algum problema. Fique conosco até o fim dessa leitura para tirar todas as suas dívidas sobre o assunto. Conheça melhor o funcionamento da caixa, tipos e diferenças, e os principais cuidados que você deve ter para tentar ao máximo prolongar sua vida útil.

O que é e como funciona a caixa de marcha?

A caixa de marcha, também chamada como caixa de câmbio é a responsável pelo funcionamento do sistema de transmissão de um carro ou veículo, ou seja, é ela quem regula a troca de marchas enquanto dirigimos.

A mesma é responsável por definir a força e a velocidade exercida pelo motor, que então será passada para as rodas assim que a primeira marcha for acionada (engatada). E assim que o carro for atingindo velocidades maiores as outras marchas vão sendo acionadas e a conexão dessas engrenagens é alterada.


Quais são os tipos de caixa de marcha e suas diferenças?

A caixa de marchas está presente em todos os modelos de carros, podendo aparecer de 4 formas: manual, automática, automatizada e CVT.  As caixas manuais são as mais tradicionais e conhecidas do mercado.

Esse modelo usa uma embreagem e uma alavanca para selecionar a marcha desejada, ou seja, o condutor do veículo é o responsável por fazer as trocas.

Os carros automáticos têm se tornado cada vez mais desejados pelos motoristas, visto que trás mais facilidade ao conduzir o veículo, nessa versão o motorista seleciona entre o ponto neutro (ponto morto), movimento para frente (dirigir) ou para trás (dar ré).

Apesar da facilidade e conforto que os carros com caixas automáticas trazem, é visto que as falhas ocorrem em menor proporção que nos modelos comuns, pois quando surge algum defeito, os custos podem ser bem mais altos.

A diferença entre estes dois modelos é que a caixa manual engata e desengata diferentes conjuntos de engrenagens, enquanto que na automática, esse mesmo conjunto produz diferentes relações de marcha.

Outro modelo existente no mercado são as caixas automatizadas, que são uma mistura entre manual e automático. Nesse caso, o condutor pode optar por fazer as trocas manualmente ou automaticamente, porém o pedal de embreagem não existe para o motorista.

Por fim, o último modelo é o das caixas de Transmissão Continuamente Variável (CVT), onde não são utilizadas engrenagens para controlar a força transmitida, mas um conjunto de correias com tamanho variável.

Algumas das vantagens dos carros que utilizam esse sistema é a redução dos trancos ao efetuar as passagens de marcha e melhor rendimento de combustível. As caixas desse modelo são semelhantes às automatizadas.

Como saber se a caixa de marcha quebrou?

A marcha é um componente sensível, e que merece muita atenção do proprietário do veículo, existem alguns sinais ao qual o condutor deve se atentar que podem indicar que o câmbio quebrou ou merece atenção.

Um dos sinais que podem indicar a quebra da caixa é no momento da passagem das marchas, se o encaixe não acontecer de forma suave, ou até mesmo, as marchas não pararem e não entrarem, isso então pode ser um indício de um possível dano no componente.

Outro aspecto ao qual o dono do carro deve se atentar é na presença de cheiro de óleo queimado, se o fluido da caixa de marchas estiver baixo ou sem a viscosidade adequada, pode fazer com que a mesma quebre.

Em caso de defeito ou quebra, o motorista irá sentir o pedal duro e grande dificuldade ao engatar as marchas, já que o pedal deve ser aliviado ao trocar de marcha.

Barulhos, falhas e a perda de potência do motor também estão associados ao desgaste da caixa, caso o automóvel apresente qualquer uma dessas peculiaridades, é indicado procurar uma oficina mecânica de confiança.

Também é importante prestar atenção para nunca sair com o carro em segunda marcha, pois isso fará com que o sistema de câmbio trabalhe muito, levando ao desgaste desnecessário da embreagem.

Observe também se as marchas estiverem se desencaixando sozinhas, deixando o carro em ponto morto, isso também pode significar que a caixa de marcha esteja com defeito.

E por último, muita atenção caso a luz no painel permaneça acesa ou piscando freneticamente enquanto o carro está ligado indicando um possível defeito, e verifique também se o automóvel apresenta algum ruído enquanto é feita a mudança de marchas.

Quais cuidados se deve ter com a caixa de marcha do carro?

Para que um carro possa funcionar de forma correta e eficaz é necessário que todo o conjunto que o compõe esteja alinhado, realizar a manutenção preventiva de forma periódica é primordial para preservar a vida útil do veículo.

Algumas peças demandam mais atenção e cuidado, como é o caso da caixa de marchas. Como dito anteriormente, barulhos estranhos podem indicar alguma falha no componente, por isso a importância em realizar as manutenções é mais que fundamental.

As peças que compõem a caixa são feitas de aço, por isso é necessário reduzir o atrito entre elas, é aí que entra a importância da troca correta do óleo do câmbio, uma vez que ele é o responsável por lubrificar e garantir a limpeza de todo o sistema de transmissão.

O nível do óleo, por exemplo, não pode estar abaixo do recomendado e deve ser trocado conforme recomendação do fabricante do modelo, essa informação pode ser encontrada no manual do carro, e jamais deixe de verificar frequentemente como está o nível do óleo.

Um outro aspecto que deve ser levado em consideração é que as caixas do modelo CVT possuem um custo de manutenção mais alto em caso de danos ou quebra, então se o veículo possuir esse modelo, a atenção deve ser redobrada.

Fique atento também à velocidade do carro ao efetuar as passagens de marcha, e atenção com reduções de velocidade muito bruscas. Esse modelo de câmbio foi feito para operar com rotações específicas e forçá-lo muito pode resultar em quebra ou desgaste prematuro.